• Café das Sextas: Janeiro 2007

    terça-feira, janeiro 30, 2007

    As "novas" tecnologias ao serviço do mal

    "Idanha-a-Nova: GNR detém caçador que usava telemóvel como chamariz"
    "Gravava o piar dos tordos no telemóvel e atraía as aves com toques, o que constitui um processo ilegal".

    Brilhantemente realista



    O discurso balofo do Marcelo não podia ser melhor desmascarado.

    segunda-feira, janeiro 29, 2007

    Iniciativa de louvar e repetir (muitas vezes)



    Quem teve a ideia de colocar autarcas a descer, de bicicleta, as ruas de Lisboa antiga, merece uma grande salva de palmas. Na melhor das hipóteses, a coisa corre mesmo mal e ficamos com menos um autarca. :)

    Ah valente!!!




    Excelente entrevista ao Valentim Loureiro. Passa toda a entrevista a enterrar-se. Basta confrontá-lo com uma pessoa inteligente para que as suas características (vamos chamar-lhe assim) venham ao de cima. E assim (ainda) anda o futebol português...

    P.S: Dou os meus parabéns ao Mário Crespo. Mais uma vez, mostrou a sua competência e elevado nível.

    domingo, janeiro 28, 2007

    XVIII Grande Prémio fim da Europa



    Distância: 17km
    Desnível posítivo acumulado: 680m

    Mais uma manhã de Domingo passada em correrias. Quando me começou a parecer que a chuva estava a cair mais devagar que o habitual, percebi que estava a nevar.

    quinta-feira, janeiro 25, 2007

    Auto-retrato

    terça-feira, janeiro 23, 2007

    Visto assim...

    "Nunca um coxo treinou atletas para a maratona, nem um mudo deu aulas de dicção. Só os padres não prescindem de dar conselhos sobre a reprodução e a sexualidade."

    Ídolos





    Quando é que isto volta a dar na televisão portuguesa? A SIC ficava a ganhar pelo menos mais um espectador.

    Aquelas resenhas curtas, a seguir ao noticiário da noite, serviam para, pelo menos, exercitarem os músculos abdominais dos tugas mais sedentários.

    segunda-feira, janeiro 22, 2007

    Mulheres ao volante...






    sábado, janeiro 20, 2007

    Não porque sim!





    Vá se lá saber porquê, chegaram-me, no mesmo dia, estas duas publicidades não solicitadas e não endereçadas à caixa de correio. Será que o Belmiro, antecipando o resultado do referendo e temendo que, tal como os apoiantes do "Não!" preconizam, se abata sobre Portugal um abortamento em massa, decidiu liquidar o stock de produtos para criancinhas? Se assim foi, o Belmiro terá decidido em consciência e dentro daquilo que é a sua liberdade. ;)

    O panfleto distribuido pela Plataforma não obrigada tem uma característica que logo me saltou há vista: dele não constam quaisquer argumentos. Pelo menos, apresentados como tal. Limita-se a expor uns quantos Sabia que... E qual deles mais hilariante?

    "Sabia que às 10 semanas de gravidez, o bebé tem praticamente todos os órgãos formados e a funcionar com excepção dos pulmões?"

    E então? Um feto sem pulmões é gente? Não por muito tempo. Quanto tempo conseguem suster a respiração? Mas, de qualquer forma, nem sequer é essa a questão. Qual é o interesse de focar este facto?

    "Sabia que nunca nenhuma mulher foi presa por crime de aborto em Portugal?"

    Talvez nenhuma tenha sido presa, mas diversas já foram condenadas e muitas mais julgadas por algo que, à luz da vontade popular (a ver vamos), não deve ser punido. Por outro lado, esta também é uma não questão. O facto da justiça portuguesa ser incapaz de aplicar a lei, não implica que não se corriga uma lei errada (se a lei está errada ou não só se ficará a saber depois do referendo).

    "Sabia que a mulher corre o risco de vir a sofrer, após um aborto e até ao fim da vida, diversas sequelas de saúde nomeadamente depressões e outras doenças do foro psiquiátrico?"

    Durante a vida correm-se muitos riscos... O não abortar, também pode levar a mulher a diversas sequelas. A mulher, o marido e os irmãos do rebento indesejado.

    "Sabia que enquanto o governo fecha maternidades, está a financiar clínicas espanholas especializadas no aborto?"

    Mais uma não questão. Que é que uma coisa tem a ver com a outra? E já agora, porque é o governo chamado para assunto? A questão, afinal, é politico-partidária?

    "Sabia que em todos os países onde foi liberalizado o aborto tem vindo a crescer? E esse crescimento não tem lugar apenas nos primeiros anos (por transferência de parte do aborto clandestino) mas é constante ao longo do tempo?"

    Talvez, nesses países, os apologistas do "Não!" se tenham rendido às evidências...

    "Sabia que os casais que recorrem ao aborto correm um risco acrescido de ver terminada a relação que os une?"

    Qual foi o estudo em que se chegou a essa conclusão? Será que isso não é uma mera opinião de quem pensa que os casais estão juntos para sempre, ou até que a morte os separe.

    "Sabia que os defensores do Não, desde o ultimo referendo, fundaram dezenas de associações de apoio às famílias, às mulheres e às crianças em situação fragilizada ou de risco para que a Vida seja possível e tenha lugar?"

    Não, por acaso não sabia. Devo andar mesmo distraído. Essas associações são tantas mas nunca dei por uma única. Só agora fiquei a saber da sua existência. Será coincidência? Talvez fosse mais útil, em vez de remediar, prevenir. Criar umas dezenas de associações de planeamento familiar seria muito mais útil.

    "Sabia que voçê também já teve 10 semanas e que foi o facto de não ter sido abortado que lhe permite estar a ler este folheto?"

    Sim, também já tive 10 semanas. Tive 10 semanas de vida, 10 semanas de depois de ter nascido. Desde quando é que, em Portugal, a idade se conta desde a concepção? Para ler o folheto, além de ter nascido, é também necessário saber ler. Acontece que muita gente (que para o ser, obviamente nasceu) nem sequer teve a oportunidade de aprender a fazê-lo.

    sexta-feira, janeiro 19, 2007

    Atirar milho aos pombos



    Hoje estive numa sessão intitulada "Oportunidades e Desafios para Portugal", cujo propósito era apresentar o 7º Programa-Quadro Europeu para a Investigação e o Desenvolvimento Tecnológico.

    A União Europeia pretende distribuir mais de 50 mil milhões de Euros entre 2007 e 2013. É claro que, como é hábito neste tipo de financiamento, o dinheiro será pago entre 2007 e 2013, mas as propostas (pedidos de financiamento) terão de ser apresentadas até... Abril de 2007.

    Tendo em conta que as linhas gerais do 7º Programa-Quadro foram divulgadas publicamente a 22 de Dezembro passado e os limites mínimos do financiamento a pedir atingirem vários milhões de Euros, o tempo para a preparação das propostas é escasso. Pior estão os pretendentes portugueses: "Para promover a participação portuguesa no programa-quadro, Mariano Gago anunciou a abertura, em Fevereiro, de um conselho nacional de pontos de contacto para as propostas candidatas, bem como a nomeação de um coordenador nacional, a tempo inteiro." Têm, na melhor das hipóteses, menos de dois meses para preparar as propostas. Ou seja, para alguns portugueses ligados à investigação, os próximos dois meses serão de tudo ou nada. Preparar um proposta em tão pouco tempo deverá ser ocupação a tempo inteiro. E o pior é que pode muito bem ser trabalho em vão.

    As linhas gerais deste 7º Programa-Quadro padecem de várias gralhas monumentais. Uma das mais óbvias é o facto de, por um lado se pedir que sejam apresentadas propostas baseadas em abordagem multi-temáticas, mas por outro, se dividir o bolo a atribuir em sectores de actividade. E se, alguém tiver em mente um trabalho verdadeiramente multi-temático, que aborde várias dos sectores apontados como meritórios pelas cabeças pensantes que delinearam tão brilhante programa-quadro? Segundo uma das oradores da sessão, o melhor será apresentar uma proposta para cada um dos sectores. Ora aí está a abordagem multi-temática.

    Mas há mais. Cerca de 60% porcento do dinheiro a atribuir, está destinado à investigação desenvolvida por consórcios constituídos por, pelo menos, três instituições pertencentes a países membros da união. É claro que os pequenos, como nós, para terem melhores hipóteses de serem contempladas, terão de se associar com instituições dos maiores estados membros. Na prática, a qualidade da ideia, ou do projecto a desenvolver, terá pouca influência no desfecho das candidaturas. O renome das instituições participantes será preponderante. Por melhores e mais bem intencionados que sejam os projectos das pequenas instituições, estas terão que se associar com as grandes (apenas na dimensão) instituições. E, como é hábito, as grandes instituições representarão um peso morto. Pouco contribuirão (pelo menos tendo em conta a sua dimensão) e absorverão grande parte do financiamento. Conclusão, fica tudo na mesma: os pequenos não têm motivos (pelo menos por via do programa-quadro) para trabalhar e se desenvolverem; e os grandes continuam a ver garantida a sua existência, mesmo que não sejam minimamente produtivos.

    Por estes motivos, e ainda por outros que nem me dou ao trabalho de expor, o 7º Programa-Quadro Europeu para a Investigação e o Desenvolvimento Tecnológico, que serve para manter viva a mendiga investigação europeia, não passa de atirar milho aos pombos. E não se atira uma mão-cheia de cada vez. Atiram-se logo sacos de 50kg. A confusão vai ser, mais uma vez, de tal ordem que o melhor a fazer é mesmo ficar, de fora, a ver o espectáculo. Good night and good luck.

    quinta-feira, janeiro 18, 2007

    Contas de sumir

    Num afamado blog da nossa praça, um economista faz "umas contas" e tece críticas às opções tomadas (ou por tomar, já que o assunto é novidade) pelos responsáveis pela saúde dos portugueses.

    É pena que o dito economista, quando alertado para a bela trapalhada que são as suas contas, não se digne a corrigi-las.

    quarta-feira, janeiro 17, 2007

    Notícia de última hora!

    TELE2 lançou serviço ADSL. A concorrência que se cuide que oferta é, vamos ver por quanto tempo, a melhor.

    Mais um fenómero paranormal que vai ficar por explicar

    "Ninguém explica por que é que o 112 parou em três distritos"
    "Eram 16h33 quando o 112 de Lisboa tocou pela última vez. Depois foi o silêncio. E foi precisamente o silêncio que fez a equipa que estava de serviço desconfiar de que haveria algum problema. Durante 41 minutos a linha nacional de emergência não funcionou anteontem nos distritos de Lisboa, Porto e Viseu. Entre as 16h34 e as 17h15, quem ligou a pedir socorro, a partir de algum destes locais, ouviu o sinal de ocupado."

    Evidências da actividade da crista da dorsal meso-atlântica



    "Berlim quer impor limites de consumo de combustível a automóveis novos"
    "O ministro alemão do Ambiente, Sigmar Gabriel, cujo país assegura durante seis meses a presidência da União Europeia, quer impor aos fabricantes de automóveis limites para o consumo de combustível nas viaturas novas, segundo uma entrevista publicada amanhã no jornal “Welt am Sonntag”."
    "Sigmar Gabriel referiu o consumo máximo de 5,8 litros aos cem quilómetros para os novos modelos a gasolina e 5,1 litros para os modelos a diesel."

    "More venom for the Viper: 600 bhp 2008 Viper SRT10"
    "One of the most brutal cars on the road will become even moreso next year when the Dodge Viper SRT10 will be packing 90 extra horsepower from its new 8.4-liter Viper V-10 engine, delivering an astounding 600 horsepower and 560 lb.-ft. of torque. The new 2008 Viper SRT10 will run from 0-60 mph in under four seconds, and deliver 0-100-0 mph performance in just over 12 seconds, braking in under 100 feet."

    No comments

    Quem dá mais?!?

    "Mais de 71 mil condutores apanhados em excesso de velocidade por radares em Lisboa"
    "A infracção mais grave foi registada na Radial de Benfica, onde um condutor foi apanhado a conduzir a 218 quilómetros por hora (km/h)".
    "No sentido contrário, foram detectados 17.387 condutores em excesso de velocidade, um dos quais conduzia a 203 quilómetros por hora."
    "O excesso de velocidade mais elevado registado nesta via, onde o máximo permitido é de 50 km/h, foi de 114 km/h, mesmo assim a transgressão mais baixa das registadas nas outras vias com radares."
    "Os dados indicam ainda que foram registadas velocidades de 204 km/h na Segunda Circular, na zona das Calvanas, de 195 km/h no prolongamento da Avenida Estados Unidos da América, no sentido Chelas/Entrecampos, de 167 km/h na Avenida Gago Coutinho (Norte/Sul), de 148 km/h na Segunda Circular (Benfica/Aeroporto) e de 130 km/h na saída do Túnel da Avenida João XXI (Campo Pequeno/Areeiro)."

    quinta-feira, janeiro 11, 2007

    A Oeste nada de novo

    "Observatório de Segurança avança com queixas-crime devido a traçado da A8 e Eixo N/S"
    "Nuno Salpico explicou que na origem das queixas está um estudo de 2005 que identificava várias vias com traçados perigosos, com curvas que violam regras de segurança, entre as quais o Eixo Norte/Sul, a A8 e o IP4, entre Porto e Bragança."

    "Governo garante respeito das normas de execução na A8 e Eixo Norte/Sul"

    "Concessionária da A8 diz desconhecer estudo que aponta falhas"
    "A empresa admite que entre Loures e Caldas da Rainha "o piso é menos confortável do que entre as Caldas e Leiria", reafirmando que tem procedido a obras sempre que se verificam abatimentos no piso."

    "Acidentes: ACA-M defende responsabilização de técnicos e políticos"

    Nada de novo.

    O porquê de exigir sempre o recibo

    "Centenas de restaurantes e bares usam sistemas de fuga ao fisco nas caixas registadoras"
    "Vários proprietários de restaurantes, cafés ou bares usam um sistema nas caixas registadoras que lhes permite fugir ao fisco."
    "A chave, ao ser introduzida na registadora, pára o rolo de impressão oficial [rolo de controlo] e continua a imprimir as vendas a dinheiro sempre com o mesmo número e sem as registar no rolo de controlo".
    "Além das registadoras, um total de oito programas comercializados para restaurantes e cafés têm à disposição na Internet programas complementares que podem ser descarregados e adaptados para sistemas de fuga ao fisco."

    É o fenómeno da mesa 99. Imensa gente lá come mas, curiosamente, nunca pede recibo. Arriscar-me-ia a afirmar que todos os softwares das caixas do estabelecimentos de restauração, sem excepção, têm implementado um "buraco" do género. Na prática, são feitas duas contabilidades: a real e a apresentar ao fisco.

    Star Wars via telnet



    Posso vir a ser acusado de fomentar a pirataria mas...

    Abram uma sessão de telnet para towel.blinkenlights.nl.

    P.S: Os nabos façam o seguinte: abram a linha de comandos (Run / Correr -> cmd.exe); e corram o comando "telnet towel.blinkenlights.nl".

    Sobre o estado da "informática"



    O que dizer do estado da "informática", quando uma boa marca de hardware (é o que a minha experiência pessoal me leva a supor) inclui, num dos seus novos produtos, uma tecla de atalho para a clássica combinação de desempanagem? Só eles saberão a(s) razão(ões) que os levou a incluir tal tecla, mas cá para mim terá algo a ver com o Windows...

    P.S: Esta "graçola" foi encontrada na novíssima Revista Linux.

    quarta-feira, janeiro 10, 2007

    E mais uma vez...



    Tudo aponta para que a Apple terá, mais uma vez, arriscado a lançar no mercado um "gadget" inovador. Está prometido o iPhone chegar a esta margem do Atlântico lá para o quarto trimestre deste ano. Deve valer a pena ver a apresentação.

    A promessa é integrar um iPod, um telefone e um "dispositivo internet", num só aparelho. A grande inovação será o interface. O aparelho tem apenas um botão. Ou seja, quase toda interacção se processará através do ecrã sensível ao toque. Ainda são poucos os detalhes técnicos apresentados.

    Cá o espero! É um bom candidato a substituir o meu velhinho iPAQ hx4700 e o "telefones tijolo" (que se vão sucedendo e me fazem perder cada vez mais a cabeça).

    segunda-feira, janeiro 08, 2007

    Mais tarde ou mais cedo...

    domingo, janeiro 07, 2007

    Telescola

    "Aprendi" hoje, ao ver o noticiário da SIC, que o nosso Presidente da República se preparava para os exames comendo um queque no Martinho da Arcada. Comprova-se assim, mais uma vez, e depois de ter sido visto a "apreciar" uma fatia de bolo-rei de boca aberta para as câmaras de televisão, a gulodice do PR.

    Nunca me teria passado pela cabeça preparar-me para um exame comendo um queque ou qualquer outro bolo. Eu tinha o péssimo hábito, que me consumia muito mais tempo do que comer bolos e, quem sabe, me fazia muito pior à saúde do que comer doces, de: estudar! Talvez por isso, além de ter passado nos exames, hoje saiba distinguir um bilião de mil milhões.

    Always watch good muves



    Estava numa de ir ao cinema. De entre as opções disponíveis, e não havendo um único filme que me parecesse digno de uma ida ao cinema, escolhi aquela que me pareceu a opção menos má: Apocalypto. Desconfiando da qualidade do filme, tinha a ideia de que, pelos menos, a experiência visual seria agradável.

    A verdade é que gostei bastante do filme. É, sem dúvida, do ponto de vista da experiência visual, um filme muito bom. As cenas de acção são pertinentes e bem executadas. A violência, ainda que muita, não é gratuita, é justificada. Pelo menos isso... Uma nota: na bilheteira do cinema não foi possível saber a idade mínima para ver o filme. Num cartaz afixado numa zona do cinema só acessível a quem tenha bilhete, e portanto sem utilidade, estava a informação de que o filme seria para maiores de 12 anos. Chegado a casa verifiquei que o filme é na verdade para maiores de 16.

    O filme conta o trágico fim de uma pequena tribo da civilização maia. Mas, apesar da evidente auto-destruição em que o povo maia se encontra, o bem subsiste através de uma personagem que, contra todas as contrariedades, escapa ao sacrifício. Estava no local errado mas à hora certa. Após a fuga, e já no seu território natural, a selva, livra-se dos seus perseguidores um por um. Quando tudo parecia corria pelo melhor, chegam os espanhóis. Mel Gibson é particularmente pessimista. Mesmo sendo imensa a carga profética e moralista, não me pareceu ser excessiva. É um filme a ver.

    sexta-feira, janeiro 05, 2007

    A SIC sabe...



    Embora tenha sido fechada a 31 de Dezembro de 2006, a SIC Comédia continua a aparecer no site da própria SIC.

    quinta-feira, janeiro 04, 2007

    "Tecnologia de ponta"

    "Mais de 200 salas de audiência vão ter gravação digital"
    "Em Setembro, o MJ começou a instalar a gravação digital em 30 salas de tribunais, nomeadamente no Tribunal Criminal da Boa Hora, em Lisboa, para garantir um sistema mais fiável do que a tradicional cassete."

    Terá sido em Setembro ou em Julho?

    "Cerca de 230 salas de audiência vão começar a ser equipadas, a partir de Janeiro, com o sistema de gravação digital, em substiuição da gravação por cassete, anunciou hoje o Ministério da Justiça (MJ).
    Segundo o ministério, o novo sistema custará 230 mil euros e permite a gravação de som e imagens."
    "A instalação de gravadores digitais em 30 tribunais até ao final deste ano representou um investimento de 150 mil euros."

    Será que esses 30 tribunais têm 150 salas de audiência, 5 cada um? Caso contrário o dinheiro não vai chegar.

    Como é possível, em 2007, estar-se ainda a substituir a cassete como meio de gravação áudio? Os responsáveis pelos equipamentos utilizados nos tribunais portugueses têm andado a dormir? As funções que se pretende que os novos equipamentos desempenhem, gravação digital de áudio e vídeo, são fácil e competentemente realizadas por um simples computador de trazer por casa...

    Descaramento

    "EPUL fez negócios com loja da família de um administrador seu"
    "A Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL) fez negócios de perto de 127 mil euros com uma loja de decoração que é propriedade de familiares de um administrador de uma subsidiária sua."

    "Foram consultadas cinco empresas do ramo, quatro das quais de grande dimensão e com créditos firmados em matéria de decoração de interiores: Conceição Vasco Costa, Deca Interiores, Dimensão Móveis e Luisa Bravo. Da quinta empresa, que dá pelo nome de Toque de Classe, nunca ninguém ouviu falar — embora numa fase posterior do processo a EPUL se venha a referir a ela, num folheto promocional, como uma “conceituada loja de decoração”.

    Com três empregadas — duas das quais as suas proprietárias — e um capital social de cinco mil euros, o “conceituado” estabelecimento tem a particularidade de pertencer a uma prima da mulher de Adroaldo Azevedo, director de recursos humanos da EPUL e administrador de uma subsidiária sua, e a uma irmã desta. Mais: a própria mulher de Adroaldo Azevedo está muitas vezes ao balcão da pequena loja, a atender a clientela.

    Apesar de a proposta da Dimensão Móveis sair 6500 euros mais barata à EPUL que a proposta da loja onde trabalha a mulher do director de recursos humanos da empresa municipal, é a esta última que o serviço é adjudicado."

    Tacholândia

    "Carmona Rodrigues promete mais 25 equipamentos desportivos até 2009"
    "«A cidade tem um número muito elevado de equipamentos desportivos municipais, perto dos 60, e no final do mandato serão 85», afirmou o autarca, na conferência de imprensa de apresentação dos equipamentos desportivos para Lisboa, associados a um novo projecto de gestão, a empresa municipal LX Desporto, cuja constituição foi aprovada ontem pela Assembleia Municipal de Lisboa."
    "A criação da empresa gerou críticas da oposição na Assembleia Municipal de Lisboa, onde os deputados acusaram o executivo de extinguir em 2002 a empresa Lisdesporto e agora criar uma nova."

    Está bem visto, sim sr.

    "Revolução nas telecomunicações" in Causa Nossa
    "A Autoridade da Concorrência aproveitou a oferta pública de aquisição da Sonae sobre a PT para fazer uma revolução no sector, a título de condições para autorizar a concentração (se esta vier a ser bem-sucedida...)."
    "Verdadeiramente, a AdC, num entendimento muito lato das suas funções, aproveitou para reconfigurar todo o sector, impondo as mudanças estruturais que o regulador sectorial deveria ter adoptado atempadamente para desenvolver a concorrência no sector e para quebrar a posição dominante do império da PT.. Resta saber se, no caso de a concentração não ter êxito, a Anacom não deveria impor à PT os mesmos «remédios»."

    É caso para dizer: de boas intenções está o inferno cheio.

    À espera de uma resposta

    "Ramos-Horta pede compaixão ao «irmão» Bin Laden"
    "O primeiro-ministro timorense, José Ramos-Horta, enviou felicitações de Natal a Osama bin Laden e pediu compaixão ao "irmão" líder da rede terrorista Al Qaeda.
    A mensagem surgiu em resposta a um pedido da estação britânica BBC, que convidou o Nobel da Paz e outros líderes mundiais e personalidades internacionais a endereçarem uma mensagem natalícia a um indivíduo ou grupo à sua escolha."

    Ramos-Horta conserva a irreverência que o caracteriza. A ideia é, ao mesmo tempo, irreverente mas também lúcida, inteligente e, embora acredite que muita gente pense de outra forma, despretensiosa.

    Speed natalício

    "Utilizadores de telemóveis enviaram 427 milhões mensagens no Natal"
    "As três operadoras de telecomunicações móveis portuguesas processaram um total de 427 milhões de mensagens escritas (SMS) neste Natal, um aumento de entre 18 e 39 por cento face a 2005."

    Os tipos das operadoras andam a mentir ou andam por aí uns "gandas malucos". Em média, cada cidadão nacional terá enviado, através do telemóvel, 40 mensagens escritas. Ora, eu enviei duas... O resto das mensagens natalícias seguiu por email. Servirá de atenuante o facto de não morrer de amores pelo "espírito natalício", mas alguém enviou as minhas restantes 38 SMS.

    Um conselho às pessoas que gastaram uma pipa de massa a enviar mensagens, supostamente, de Natal. Multiplicar o número mensagens enviadas não aumenta o vosso número de amigos. Só atenua o significado das mensagens que mandam. Larguem, pelo menos na véspera do Natal, a cocaína e mandem menos SMS! Poupam na cocaína e na conta do telefone.

    Produto acabado

    Pouco depois de ter comprado um iPod nano, e experimentado um produto muito bem pensado e verdadeiramente pronto a utilizar, comprei um iMac.

    Os vídeos seguintes, que pertencem a uma série muito conhecida de anúncios da Apple, resumem bem a experiência que tenho tido. O iMac vem pronto a ser utilizado ao fim de poucos (muito poucos!) minutos de instalação e configuração. Já vem com software instalado para fazer uma série de coisas, precisamente aquelas que mais se fazem quando se recorre a um computador. E para "trabalhar" não é necessário comprar o Microsoft Office para mac, como refere o segundo vídeo, há o OpenOffice.org.



    À boa maneira "americana"



    "How To: Disable Your Passport's RFID Chip"
    "The best approach? Hammer time. Hitting the chip with a blunt, hard object should disable it. A nonworking RFID doesn’t invalidate the passport, so you can still use it."

    Quem já tiver o novo passaporte electrónico português, e quiser certificar-se que o famoso "chip contactless" não é utilizado com intuitos menos benéficos, pode sempre tentar a abordagem "estado-unidense". É provável que venha a ser obrigado a renová-lo, uma vez que um passaporte electrónico com a electrónica avariada não é um passaporte electrónico, mas tentar não custa...

    quarta-feira, janeiro 03, 2007

    Queen bee syndrome

    "Office queen bees hold back women’s careers"
    "FORGET “jobs for the boys”. Women bosses are significantly more likely than men to discriminate against female employees, research has suggested."

    Megalomanias



    Na imagem está uma cambota de 300t já apoiada no cárter. Fazem parte de um motor a diesel de 10 cilindros em linha. Cada cilindro tem a capacidade igual a 1820l, quase 2 metros cúbicos! A amplitude do movimento dos pistões quase atinge os 2,5m. São fabricadas versões de 6 a 14 cilindros.

    A eficiência anunciada para estes monstros também é perfeitamente anormal. Mais de metade da energia contida no combustível é convertida em movimento, mais do dobro dos comuns motores de combustão interna utilizados em automóveis.

    Aqui pode-se ler mais sobre o assunto. Diesel power forever!

    Simplesmente estimulante



    O jogo chama-se 3d Logic e o objectivo é simples: unir, de forma contínua, os quadrados de cor igual. Ao nível 16 chega-se facilmente. Completá-lo pode levar algum tempo...

    Ver a música

    Neste post do blog do Markl, e por motivos suficientemente tristes para não serem aqui repetidos, ouvi uma música que não ouvia faz vários anos: Fake plastic trees dos Radiohead.

    Porque terei eu deixado do ouvir a genialidade das letras e a simplicidade tocante das músicas dos Radiohead? Vou obrigar-me a atulhar o iPod com músicas deles.

    Radiohead - Fake plastic trees


    A green plastic watering can
    For a fake chinese rubber plant
    In the fake plastic earth

    That she bought from a rubber man
    In a town full of rubber plans
    To get rid of itself

    It wears her out, it wears her out
    It wears her out, it wears her out

    She lives with a broken man
    A cracked polystyrene man
    Who just crumbles and burns

    He used to do surgery
    On girls in the eighties
    But gravity always wins

    And it wears him out, it wears him out
    It wears him out, it wears him out

    She looks like the real thing
    She tastes like the real thing
    My fake plastic love

    But I can't help the feeling
    I could blow through the ceiling
    If I just turn and run

    And it wears me out, it wears me out
    It wears me out, it wears me out

    And if I could be who you wanted
    If I could be who you wanted
    All the time, all the time

    terça-feira, janeiro 02, 2007

    Boa sorte

    "Sindicato dos futebolistas apela à mobilização e reitera ameaça de greve"
    "O presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF), Joaquim Evangelista, apelou hoje à mobilização de todos os futebolistas e reiterou a ameaça de greve, em resposta ao fim do regime de excepção para o pagamento de IRS."

    Amadorismo

    "Televisão «versus» Presidente" in SOUND + VISION
    "O Presidente da República falou dos desafios e dificuldades que esperam os portugueses no ano de 2007. São questões graves que, além do mais, encontram no mais alto magistrado do Estado um lugar institucional, simbólico e político cuja dignidade importa preservar por todos os meios, incluindo as mensagens televisivas. Infelizmente, tal como as coisas se passaram, prevaleceu um amadorismo mediático que só pode minimizar as mensagens que se tentam veicular."