• Café das Sextas: Junho 2006

    sexta-feira, junho 30, 2006

    Serviço alternativo

    A propósito da greve dos funcionários do Metropolitano de Lisboa... A empresa disponibilizou um "serviço alternativo" de autocarros que, supostamente, faria paragens coincidentes com as estações de metro.

    No trajecto de casa para o trabalho demoro habitualmente 20 minutos. Hoje demorei 45. Há ainda que ter em atenção que, dos 20 minutos habituais, durante apenas 10 utilizo o metro. Ou seja, com o péssimo "serviço alternativo" que o metro disponibilizou aos seus utentes, o que habitualmente demora 10 minutos, demorou hoje 35. Mais valia ter feito todo o percurso a pé, teria demorado menos.

    O atraso até podia ter ficado a dever-se ao trânsito. Mas não, o condutor do autocarro, apesar de saber minimamente por onde devia ir, não fazia a mínima ideia de onde devia parar. Assim vão os "serviços alternativos"...

    quinta-feira, junho 29, 2006

    Brokeback Mountain


    (Versão alternativa com Bruno Nogueira e Rui Unas)

    terça-feira, junho 27, 2006

    Autarca de aluguer

    "Carmona Rodrigues e embaixador da China jantam hoje num restaurante chinês"

    P.S: Carmona Rodrigues já fez saber que amanhã janta numa roulotte.

    No comments

    "Serviço de correio electrónico ViaCTT vai ser lançado hoje"

    "Os CTT lançam hoje o novo serviço ViaCTT, que permite que todos os cidadãos e empresas tenham uma caixa de correio electrónica".

    E o hotmail, o Gmail e outros que tais? Não servem?

    Cartões há muitos... Palerma!!!

    Em nome do "pogresso"

    "Ligação por via rápida entre Peniche e A8 abre hoje"

    No Domingo, dia 25, à noite, passei pela nova saída da A8. Quem se aproximava desta saída, vindo de Norte, era "presenteado" pela placa informativa da nova saída, instalada no pórtico antecedente (a uns 200m).

    Acontece, que a referida saída ainda não estava aberta. Contudo, apenas uns blocos de plástico, colocados já na saída, impediam a circulação. Nada, mas mesmo nada, nem mesmo na fila de desaceleração, indicava o facto da saída se encontrar fechada.

    Quantos acidentes teram sido provocados por tamanha incúria?

    Mas não é só. Este nó rodoviário tem mais para dar. A saída em sentido contrário, para quem vem de Sul, é feita por uma curva que, no seu início, tem um raio inferior a 30m.



    Fazendo algumas contas...

    Velocidade (km/h) - Aceleração (m/s^2) - (a/g)
    30 -------------------- 2,3 --------------------- 0,2
    40 -------------------- 4,1 --------------------- 0,4
    50 -------------------- 6,4 --------------------- 0,7
    60 -------------------- 9,3 --------------------- 0,9
    80 -------------------- 16,5 -------------------- 1,7

    Qual será a velocidade máxima permitida naquela saída?

    segunda-feira, junho 26, 2006

    Eu e o meu umbigo

    Quando o (aparentemente) acessório utrapassa o fundamental

    "The Best: Accidental Discoveries"

    "Top Ten Accidental Discoveries"

    O melhor, mesmo, é ficar à espera, e ver o que acontece...

    sexta-feira, junho 23, 2006

    O imaginável

    "Imagina um átomo de hidrogénio, Cente. O átomo mais básico: um núcleo com um único electrão que gira em volta dele. Imagina depois que ampliaste o núcleo cinco milhões de milhões de vezes, até ter o tamanho aproximado de uma moeda de um peso. À escala, o electrão estaria agora a quase um quilómetro.

    Um quilómetro entre o núcleo e electrão, se o núcleo tivesse o tamanho de uma moeda de um peso. Num átomo quase nada há para ver, mesmo que se pudesse ver. Quase tudo vazio. Tanto espaço para andar.

    Tanto espaço que, se disparássemos um neutrão num bloco de chumbo com a espessura de um ano-luz, havia cinquenta por cento de hipóteses de o neutrão não colidir com nada e sair pelo outro lado.

    Boas hipóteses de sobrevivência, se formos um bloco de chumbo com a espessura de um ano-luz, a tentar rebentar os miolos com uma arma de neutrões.

    Boas hipóteses de sobrevivência, também, para o caso de sermos um neutrão suicida, a saltar do trigésimo andar das Legaspi Towers. Batemos no asfalto e atravessamo-lo calmamente. Atravessamos o asfalto, a terra, as camadas rochosas, o planeta inteiro e continuamos.

    Boas hipóteses de sobreviver ao suicídio para o inimaginavelmente grande e para o inimaginavelmente pequeno.

    Seria lícito esperar que o mesmo fosse verdade para uma rapariga que salta do trigésimo andar das Legaspi Towers. Com todo aquele espaço, com todo aquele vazio e espaço para andar, podíamos esperar que os átomos da rapariga e os átomos do asfalto conspirassem para a deixar passar sã e salva.

    Parece razoável. Mas sucede que, para o imaginável, as hipóteses são más."

    Alex Garland, O Tesseract. Quetzal Editores, pp. 207-208.

    P.S: O autor do livro de onde retirei este excerto, confunde o tesseract (ou hipercubo, que está para o cubo assim como cubo está para o quadrado) com o objecto tridimensional que resulta do "espalmamento" do próprio.

    quinta-feira, junho 22, 2006

    Começo a ficar impaciente...

    Em casa de ferreiro, espeto de pau...

    "Most Microsoft Workers Search With Google"

    "Of the users originating from Microsoft's domain who reached Hitchcock's site via a search engine, 80 percent came through Google. Only 20 percent used a Microsoft search engine".

    Faz lembrar aquela estória dos empregados da Apple andarem a utilizar earphones brancos só para disfarçar, quando não utilizavam um iPod para ouvir música.

    Também à espera de um puxão de orelhas

    "Oeste: suinicultores obtêm facilidades burocráticas para espalhar efluentes"

    "Pedro Alves, vice-presidente da Trevoeste, garantiu que os empresários do sector nesta região querem «minimizar as descargas» nos rios."

    Minimizar?!? Cometem de forma reiterada, e a coberto da falta de actuação das autoridades, crimes ambientais e ainda esperam que se tenha "peninha" deles!?! Coitadinhos... Não têm onde se desfazerem da m**** de tanto porco... Uns enchem os bolsos de dinheiro à custa da suinicultura, e outros é que têm que arcar com as consequências de actividade. Enfim... É a "pato-bravagem" em todo o seu "esplendor".

    À espera de um puxão de orelhas

    "Juízes não marcam julgamentos nas extintas férias judiciais"

    "Nas varas criminais e cíveis do Porto verifica-se, por exemplo, que não há nenhuma diligência marcada a partir de 15 de Julho (data em que se iniciavam as extintas férias judiciais)."

    "Em Lisboa a situação é idêntica, seja nas varas criminais ou cíveis. Nas primeiras, há apenas dois julgamentos marcados para 19 de Julho, sendo que o mesmo tribunal, no dia 11, quando ainda tem o seu funcionamento em pleno, marcou 13 julgamentos."

    Panorama nacional



    Este, e muitos mais, vão passando aqui.

    quarta-feira, junho 21, 2006

    Onde vai isto parar?

    Ouvi hoje o programa da Sic Notícias, Expresso da meia-noite, de 20 de Maio.

    O conjunto de indivíduos que nele participa, pretensas pessoas inteligentes e cultivadas, levou toda a santa hora que dura o programa, a falar de futebol e do mundial que se avizinhava.

    Assim vai o jornalismo português...

    Música nova

    A descoberta do FMI de José Mário Branco, a fechar um programa de rádio dedicado ao 25 de Abril, foi surpreendente. É estranho, mas não me lembro, de antes, alguma vez o ter ouvido.

    É "interessante" verificar que, tantos anos depois, o discurso permanece actual.

    O texto pode ser lido aqui.

    terça-feira, junho 20, 2006

    Se beber... acompanhe com café

    "Could coffee protect your liver against alcohol?"

    "People drinking one cup of coffee per day were, on average, 20% less likely to develop alcoholic cirrhosis. For people drinking two or three cups the reduction was 40%, and for those drinking four or more cups of coffee a day the reduction in risk was 80%."

    Novas fronteiras

    "Governo considera que greve dos professores não tem justificação"

    "O ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva, considera que a greve dos professores, marcada para hoje, não tem justificação e estranha que a paralisação tenha sido marcada entre dois feriados."

    Alguém dê a boa nova ao ministro. Portugal estende-se para lá dos limites do município de Lisboa. É que fora do município de Lisboa, o dia 13 de Junho (dia de S. António) não é feriado.

    Em que ficamos?

    "Tarifas dos transportes públicos vão aumentar até 2,65 por cento em Julho"

    "É fixada em 2,65 por cento a percentagem máxima de aumento médio para os transportes de urbanos de Lisboa e do Porto".

    O que a "percentagem máxima de aumento médio"? Alguém quer explicar melhor...

    A febre

    sábado, junho 17, 2006

    Vai comprar uns óculos!!!

    sexta-feira, junho 16, 2006

    A brincar a brincar...

    José Pedro Gomes a dizer das suas.

    terça-feira, junho 13, 2006

    "Polícia Municipal de Lisboa vai ser reforçada com 150 agentes"

    "A Câmara de Lisboa tem-se queixado nos últimos anos de falta de profissionais na Polícia Municipal, que devia ter um quadro com 900 agentes e apenas tem 400, e disponibilizou-se para pagar a formação dos futuros agentes."

    (400 + 150) / 400 = 550 / 400 = 1,375

    1,375 * 0 = 0

    A minha opinião sobre o assunto já aqui está.

    Já agora: "Interdição da apanha de conquilha deixa 150 homens sem trabalho".

    domingo, junho 11, 2006

    Estupidez pura

    No segundo vídeo, mais uma vez, Alcino Monteiro é erradamente identificado como sendo cabo-verdiano. Na verdade, Alcino Monteiro era cidadão português. Foi espancado até à morte apenas por não ser branco.



    quarta-feira, junho 07, 2006

    Ectoparasitas facultativos

    Uma no cravo outra na ferradura

    Se no post anterior fiz promoção de um programa da Microsoft, neste apresento uma alternativa muito válida (e gratuita) ao MS Excel.

    Acabou de aparecer o Google Spreadsheets:
    - as funcionalidades do costume;
    - capacidade de fazer upload de .xls e download de .xls, .csv ou .html;
    - partilha de ficheiros;
    - edição colaborativa e simultânea;
    - é de borla!

    P.S: Já existia anteriormente algo semelhante - ajaxXLS.

    A febre do futebol

    Aviso: Os srs. deputados escusam de ler este post porque não vão encontrar algo que lhes possa vir a ser útil.

    Dêm uma vista de olhos a esta peça de software: Microsoft Football Scoreboard.

    Vai ser de grande utilidade para quem, mesmo durante o mundial de futebol, passar muito tempo em frente ao computador. Padece do incoveniente de só funcionar em Windows (genuíno!).

    Fruta estragada

    terça-feira, junho 06, 2006

    À descarada

    "Associação de restaurantes acusa Sport TV de abuso de poder"

    "Na carta, a que a agência Lusa teve acesso, a Sport TV sublinha que “não autoriza a passagem de quaisquer imagens televisivas do Campeonato do Mundo FIFA 2006 (incluindo as que forem transmitidas em sinal aberto) em locais públicos e/ou ecrãs gigantes”."

    "Câmara de Lisboa mantém transmissão dos jogos do Mundial"

    "A proibição de exibição pública dos jogos, em relação à qual a Sport TV diz já ter alertado várias entidades, «visa sobretudo evitar as acções que estão a ser preparadas por muitas juntas de freguesia».
    A estação televisiva adianta que a medida pretende ainda «defender os direitos dos seus legítimos subscritores e colaborar no combate à utilização abusiva do respectivo sinal»."

    Esta do "defender os direitos dos seus legítimos subscritores" deve ser para rir...

    "Mundial 2006: Câmara de Faro pede intervenção do Governo no caso das transmissões em locais públicos"

    "Recordando que há dois anos, durante o Euro 2004, «as cidades foram aliciadas a fazer das transmissões dos jogos uma grande festa», Apolinário criticou «as razões economicistas que estão por trás desta atitude» da SportTV."

    No que a mim toca, e apenas em relação aos jogos que serão emitidos pela SIC que eu não pago aos chulos da Sport TV, podem contar comigo para verem os jogos do mundial. Não vou ter as portas de minha casa abertas ao "público" mas um telefonema resolve o assunto. ;)

    O desporto rei

    Simpsons - Soccer: Mexico Vs Portugal

    Ofereçam-lhe uma agenda!

    sexta-feira, junho 02, 2006

    Post sem toque de ironia



    O post intitulado Legenda sem toque de ironia do blogue Central Nuclear pretende desancar as centrais termoeléctricas a carvão e enaltecer as nucleares.

    Para tal o autor enumera exaustivamente uma série de emissões das centrais a carvão: "3 700 000 toneladas de dióxido de carbono [...]; 10 000 toneladas de dióxido de enxofre; 10 200 toneladas de óxido nítrico e dióxido de nitrogénio; 500 toneladas de pequenas partículas aéreas [...]". Fica-se por saber qual o intervalo de tempo durante o qual as emissões de uma central a carvão perfazem tais valores. Uma hora? Um dia? Um mês? Um ano? Toda a vida útil da central?

    Portanto, neste caso e aos olhos do autor do post, os números são apenas números. Não têm qualquer significado físico não sendo possível utilizá-los num raciocínio.

    Fica-se assim a saber da capacidade do autor para dissertar sobre o assunto. Nenhuma ou muito, muito pouca.

    A EPUL e as trapalhadas do costume

    "EPUL devolverá dinheiro a eventuais desistentes do projecto Paço Lumiar" in Público

    "Os jovens seleccionados no concurso EPUL Jovem para o empreendimento do Paço do Lumiar, cuja construção está atrasada, serão ressarcidos das despesas que já realizaram pela empresa municipal caso queiram desistir da compra das casas, revelou hoje a vereadora do Urbanismo da Câmara de Lisboa."

    Como é óbvio, a EPUL, mesmo não sofrendo pressões exteriores (mero exercício de abstracção...), terá todo o interesse em dificultar o acesso a habitações "baratas" quando as pode vender muito mais caras e daí retirar grande lucro.

    O triste é que, com tanto malabarismo, quem realmente precisa de casa acaba a comprá-la ao preço de mercado, por não poder esperar mais, endividando-se desnecessariamente. Os que podem esperar, já tendo onde residir, são os que acabam por ficar com (mais uma) casa. Triste, não é?

    WTF?!?!

    Há coisas que custam...

    Ouvir um ministro do governo do meu país dizer, repetidamente, "gasol" para as câmaras de televisão, quando se referia ao gasóleo, foi um choque.